ArtigosDireito Penal

Você provavelmente já cometeu um crime

um crime

Você provavelmente já cometeu um crime

O título deste artigo poderia ser “Como a seletividade do sistema penal opera” ou algo do gênero. Mas poderia acabar atraindo apenas pessoas que já entendem sobre a seletividade do sistema penal. Mas o título não deixa de trazer uma premissa verdadeira, e o ‘provavelmente’ foi incluído apenas pelo vício de sempre deixar um espaço para dúvida.

O que pretendo demonstrar é que o Direito Penal está sempre à espreita, todos podemos sofrer uma ação penal. Porém, nem sempre temos consciência disso, já que atribuímos ao conceito de crime apenas algumas condutas. O crime é cometido pelo “bandido” e o resto da sociedade é composto por “cidadãos de bem”. O que nos cega desse fato é que nem sempre a reprovabilidade conferida a conduta pela legislação é a mesma conferida pela sociedade.

Para demonstrar isso de forma prática, farei uma pequena coletânea de “crimes cotidianos” que não são tão conhecidos pelo público que não tem contato com a área. Para ilustrar cada crime, serão descritos exemplos práticos, mas que não limitam o tipo penal aos mesmos.

Começo pelo crime que ganhou mais notoriedade no gênero “você não sabia mas é crime”. Esse tipo crime é o mais interessante da lista, já que é o único que além de muitos não saberem que é crime, o seu não cometimento é louvado pela imprensa diariamente. Notícias como “Homem acha carteira com 200 mil reais e devolve” são comuns e buscam demonstrar a idoneidade moral do sujeito.  Mas o artigo 169 do Código Penal é bem claro:

Art. 169 – Apropriar-se alguém de coisa alheia vinda ao seu poder por erro, caso fortuito ou força da natureza:

Pena – detenção, de um mês a um ano, ou multa.

Parágrafo único – Na mesma pena incorre:

(…)

II – quem acha coisa alheia perdida e dela se apropria, total ou parcialmente, deixando de restituí-la ao dono ou legítimo possuidor ou de entregá-la à autoridade competente, dentro no prazo de quinze dias.

Ou seja, não devolver a coisa achada seria crime. Essas situações e como são noticiadas pela imprensa mostram uma certa esquizofrenia social. Isso porque criminalizamos uma conduta que a grande maioria das pessoas não adotaria e ainda parabenizamos quem não a comete.

Outro crime cotidiano é a prática de sair para ensinar uma pessoa a dirigir sem ser instrutor de trânsito ou apenas para que ela pratique um pouco. No caso, a pessoa que entrega a direção do veículo e o condutor estão cometendo crimes, previstos pelo art. 309 e 310 do Código de Trânsito Brasileiro, respectivamente. Veja-se:

Art. 309. Dirigir veículo automotor, em via pública, sem a devida Permissão para Dirigir ou Habilitação ou, ainda, se cassado o direito de dirigir, gerando perigo de dano:

Penas – detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

Art. 310. Permitir, confiar ou entregar a direção de veículo automotor a pessoa não habilitada, com habilitação cassada ou com o direito de dirigir suspenso, ou, ainda, a quem, por seu estado de saúde, física ou mental, ou por embriaguez, não esteja em condições de conduzi-lo com segurança:

Penas – detenção, de seis meses a um ano, ou multa.

E quando o condutor do carro pede para ser liberado de uma blitz ou “deixar passar essa” e o policial/agente de trânsito concordam e fazem vista grossa? O policial comete o crime de prevaricação, previsto pelo art. 319 do Código Penal. Cita-se:

Art. 319 – Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal:

Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.

Outro “crime comum” é previsto pelo art. 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente. Muito comum, principalmente nessa época de festividades de fim de ano, o ato de deixar uma criança ou adolescente provar uma bebida alcoólica acarreta pena mais grave que o furto. Veja-se:

Art. 243.  Vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar, ainda que gratuitamente, de qualquer forma, a criança ou a adolescente, bebida alcoólica ou, sem justa causa, outros produtos cujos componentes possam causar dependência física ou psíquica:            

Pena – detenção de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa, se o fato não constitui crime mais grave. 

Para finalizar, posso citar a conduta do art. 151 do Código Penal, o qual tipifica a conduta de devassar indevidamente o conteúdo de correspondência fechada. Em outras palavras, abrir correspondência que não é sua.

Após esse pequeno apanhado, levanta-se a questão: Afinal, quem é criminoso? Será que a sociedade e a mídia ainda podem utilizar termos maniqueístas como cidadão de bem e bandido? Adquirir a consciência de que todos podem cometer um crime ou já cometeram é um grande passo para quebrar a parede moral que separa criminosos dos supostos cidadãos de bem.

Continuar adotando esses termos é assumir que só é criminoso quem escolhemos que seja. Mas conforme a legislação brasileira, o criminoso pode ser o seu vizinho, os seus amigos, os seus familiares ou até você.

Autor

Pós-Graduando em Ciências Criminais. Advogado criminalista.
Continue lendo
ArtigosDireito Constitucional

Habeas corpus de Temer ficou para semana que vem

ArtigosCriminal Profiling

Controvérsias no perfil do assassino em massa

ArtigosTribunal do Júri

3 dicas rápidas para seu primeiro júri

ArtigosDireito Penal

Concurso material ou concurso formal de crimes?

Receba novidades em seu e-mail