• 27 de setembro de 2020

A simplicidade vale a sua segurança?

 A simplicidade vale a sua segurança?

A simplicidade vale a sua segurança?

As tecnologias estão constantemente presentes no cotidiano, inaugurando recursos que contribuem para a sociedade e para o próprio desenvolvimento humanitário. Porém, trazem consequências e incertezas para essas mesmas estruturas, gerando uma insegurança tecnológica. Nesta relação, tem-se o Token, um anel inteligente que pode ser usado para facilitar ações do cotidiano e simplificar a vida do usuário.

O Token foi desenvolvido pelo empresa Tokenize. Na prática, é um anel biométrico que pode ser usado para carregar informações essenciais do usuário, como senhas, dados para abrir as portas de casas ou automóveis, credenciais de sites e até mesmo a chave para acessar um computador.

Em outras palavras, o anel tem a capacidade de armazenar diversas chaves digitais, permitindo que o usuário tenha em um único dispositivo as principais informações que serão necessárias para o seu cotidiano.

O diferencial do Token é a sua proteção por impressão digital, então somente pode ser usado pelo usuário que cadastrou sua biometria, sendo desativado quando o equipamento não está em contato com o seu portador.

Outro diferencial é a presença dos sinais Near Field Communication (NFC) e Bluetooh, possibilitando que o anel seja interligado com os sistemas cotidianos que possuem esses meios de transmissão, por exemplo com um computador que tenha Bluetooh. Dessa forma, o Token permite que o usuário acesse o seu dispositivo, de forma instantânea, sem a necessidade do indivíduo digitar os seus dados.

Todavia, esses bancos de dados presentes no anel inteligente estão interligados em um sistema digital, que reúne todas as informações do indivíduo.

Simplicidade ou segurança?

Esse sistema fica interligado ao seu aparelho pessoal, como um computador ou um celular, em que é possível transmitir as informações que estarão contidas no anel. Portanto, quem invadir a transmissão desse sistema, por exemplo os sinais do Bluetooth, e tiver acesso ao sistema de dados, tem a possibilidade de dispor das mais variadas informações do indivíduo.

De forma mais grave, hackers podem invadir o aparelho pessoal, reter os dados e realizar a transmissão dos mesmos, sem o usuário ter conhecimento que suas informações estão sendo passadas para um terceiro.

Dessa maneira, os hackers conseguem dispor de informações de terceiros e usar esses dados, como senhas de contas bancárias, para fins próprios. Portanto, o usuário portador do anel já não poderá contar apenas com sua proteção biométrica, em razão das informações não estarem mais restritas ao seu Token.

Desta forma, o indivíduo estará desprotegido, em virtude de que seus dados serão encaminhados para o sistema do hacker e terceiros. Tal prática caracteriza o estelionato, disposto no Código Penal, em seu artigo 171:

Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.

Todavia, e em virtude dos hackers realizarem os ataques de forma anônima, é extremamente difícil estabelecer quem foi o responsável pela obtenção dos dados e, desta forma, responsabilizá-lo.

O Token está presente inicialmente nos Estados Unidos da América, mas possui o potencial de se expandir ao longo do mundo e conquistar novos consumidores. Portanto, é importante trazer, hipoteticamente, esta realidade para o Brasil e ressaltar que o indivíduo terá a liberdade de optar pela compra, sendo necessário que conheça sobre a insegurança tecnológica do Token.

Por consequência, é incontestável que as tecnologias continuarão avançando em níveis globais, e quando se tornarem algo presente nas mais diversas camadas sociais, reflexões surgirão. É necessária a estipulação de medidas que equilibrem as facilidades do anel inteligente e a segurança do indivíduo.

A simplicidade vale a sua segurança?

Resta, assim, a seguinte indagação: como a humanidade está se preparando para proteger suas informações contra hackers? A simplicidade será mais importante que a sua segurança?

Gabriel Carvalho dos Santos

Acadêmico de Direito e pesquisador, com com ênfase no Direito Penal.