ArtigosDireito Animal

A bandeira animal nas eleições de 2018

bandeira animal

A bandeira animal nas eleições de 2018

Aproxima-se mais uma eleição. E, mais uma vez, muitos candidatos apoderam-se da bandeira animal para tentarem cargos públicos.

Sabemos da importância de contarmos com políticos, nos mais diversos cargos, que lutem pela implementação de políticas públicas voltadas à causa animal.

Bandeira animal na política

Realizei uma pesquisa, visando justamente identificar de que forma o assunto “Animal” é enfocado por candidatos a diferentes cargos neste pleito. Sem citar nomes, minha abordagem visará à análise dos bordões e das propostas, mostrando que o tema evidencia que nosso país ainda está longe de ter uma consciência formada sobre esses seres sencientes e sua possibilidade de se tornarem sujeitos de direitos.

O primeiro ponto a ser observado é a permissão, pelo TSE, de carros de som tracionados por animais, conforme a Resolução nº 23.551, de 18 de dezembro de 2017, que em seu art. 11 § 4º, I, que assim determina:

Para efeitos desta resolução, considera-se: carro de som: qualquer veículo, motorizado ou não, ou ainda tracionado por animais, que use equipamento de som com potência nominal de amplificação de, no máximo, 10.000W (dez mil watts) e que transite divulgando jingles ou mensagens de candidatos” (TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, 2017).

Aí já começa o absurdo, com a permissividade da União em relação à crueldade animal. Na Paraíba, porém, está proibida a utilização de veículos de tração animal em campanhas (ROCHA, 2018).

Eleições e bandeira animal

Muitos candidatos prometem a proteção e a defesa dos direitos dos animais. Alguns nós já conhecemos, e reconhecemos o belo e árduo trabalho por eles realizado, o qual merece ter continuidade.

Foram encontrados candidatos adeptos ao veganismo ou ao vegetarianismo e que incentivam seus possíveis eleitores para que também se engajem nessas práticas. Outros já participam de ONGs e outras entidades de proteção e acolhimento animal e posicionam-se contra a exportação de animais vivos, por exemplo.

Percebendo um “filão” a ser aproveitado como estratégia de campanha, muitos arvoram-se agora em verdadeiros paladinos dos que não têm voz. Nas redes sociais e em reportagens, candidatos aparecem abraçando e posando com animais, na tentativa de comover o público cada vez mais engajado na causa.

A bandeira animal nas propostas

Como propostas de candidatos em favor dos animais, podem ser citadas (salientando-se que foram pesquisados candidatos a diferentes cargos em todo o país): a criação de um hospital público veterinário; a criação do serviço de castração nos bairros; a instalação de Restaurante Popular Vegetariano; a criação da Delegacia Especial de Proteção aos Animais; o fim da eutanásia em animais que podem ser tratados; a inclusão de opções de alimentos 100% de origem vegetal em todos os cardápios de refeições de lanchonetes e cantinas em órgãos públicos estaduais; a defesa do fim do uso de animais vivos em exposições artísticas e em eventos esportivos como vaquejadas e rodeios; a proibição da comercialização de animais domésticos; a abolição das carroças; a conscientização sobre o veganismo enquanto política; a criação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência Animal e de Unidades Básicas de Saúde Animal; a redução de impostos em rações e medicamentos animais; a criação de um cadastro de protetores animais, dentre outras.

Em apenas dois programas de governo dos candidatos à Presidência da República foram encontradas menções à proteção animal. Num deles aparece “capacitar os profissionais que lidam com as diversas espécies e reforçar a fiscalização para coibir práticas que causam sofrimento dos animais empregados em diferentes atividades produtivas ou em pesquisa” e, noutro programa, consta a vaga “criação de política de proteção aos animais” (COSTA; DAMÉ, 2018).

Foram encontrados também, candidatos que utilizam apelidos de nomes de animais ou, após o seu nome, adicionam o complemento “DOS ANIMAIS”, ou “PROTETORA DOS ANIMAIS” na intenção de associar seu nome à causa como bandeira política.

Por outro lado, alguns parecem servir a propósitos de classes que defendem a perpetuação dos maus-tratos, na tentativa de angariar os votos de categorias que possuem interesses contrários a tudo aquilo que se apregoa quando o assunto é Direito Animal.

Um candidato apareceu em rodeio, montado em um cavalo, sendo ovacionado pelo público frequentador de tal “espetáculo”. E outro candidato, concorrendo a deputado federal, lançou um projeto de revogação da atual Lei de Proteção à Fauna (Lei 5.197/67), considerado pelo Ministério Público “o tiro que faltava para a extinção das espécies” (CÂMARA DOS DEPUTADOS, 2018), pois objetiva a liberação da caça.

A caça está prevista como crime no art. 29 da Lei 9.605/98:

Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida:

Pena – detenção de seis meses a um ano, e multa (BRASIL, 1998).

Mais dois exemplos encontrados referem-se a um candidato a deputado federal e outro a deputado estadual. Ambos defendem a rinha de galos, sendo que um deles apregoa em sua campanha o compromisso pela manutenção das rinhas de galo, complementando que esses animais lutam por instinto!

As rinhas de galo, por sinal, têm um histórico de proibições e liberações ao longo dos tempos em nosso país. O Decreto nº 24.645, de 10 de julho de 1934 assim dispunha sobre em ser art. 3º, XXIX:

Consideram-se maus tratos:

[…] realizar ou promover lutas entre animais da mesma espécie ou de espécie diferente, touradas e simulacros de touradas, ainda mesmo em lugar privado (BRASIL 1934).

Já o Decreto-Lei 3.688, de 3 de outubro de 1941 (Lei das Contravenções Penais) proibia, em seu art. 64 a crueldade contra os animais:

Tratar animal com crueldade ou submetê-lo a trabalho excessivo:

Pena – prisão simples, de dez dias a um mês, ou multa, de cem a quinhentos mil réis (BRASIL, 1941).

Porém, apesar da Lei das Contravenções Penais (e a discussão sobre a revogação do Decreto de 1934), a rinha foi praticada por vinte anos, até que em 18 de maio de 1961 foi editado o Decreto nº 50.620, que “proíbe o funcionamento das rinhas de ‘briga de galos’ e dá outras providências” (BRASIL, 1961).

Todavia a proibição durou pouco, pois em 1962 o então primeiro-ministro Tancredo Neves editou o Decreto nº 1.233, que revogou o anterior, permitindo novamente a prática das rinhas.

Finalmente, a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, em seu art. 32, prevê que quem pratica “o ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”, está sujeito à pena de detenção de três meses a um ano, além de multa (BRASIL, 1998).

Bandeira animal e luta pelos direitos

É importantíssimo, portanto, escolher candidatos verdadeiramente engajados na luta pelos direitos dos animais. Sabe-se que muitas das proposições não passam de promessas de campanha, muitas das quais não dependem apenas da vontade do candidato para se concretizarem. Mas espera-se que sejam cumpridas; que não sirvam apenas para enganar aqueles que almejam respeito e consideração para com os animais.


REFERÊNCIAS

 

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Especialistas divergem sobre projeto que revoga Lei de Proteção à Fauna. 2018. Disponível aqui. Acesso em: 4 set. 2018.

COSTA, Gilberto; DAMÉ, Luiza. Conheça os programas de governo dos presidenciáveis de 2018. 2018. Disponível aqui. Acesso em: 2 set. 2018.

ROCHA, Carlos. Justiça Eleitoral da PB proíbe veiculação de jingle eleitoral em carros particulares; saiba mais. 2018. Disponível aqui. Acesso em: 3 set. 2018.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL. Resolução nº 23.551, de 18 de dezembro de 2017. Dispõe sobre propaganda eleitoral, utilização e geração do horário gratuito e condutas ilícitas em campanha eleitoral nas eleições. Disponível aqui. Acesso em: 3 set. 2018.

Autor

Mestre em Direito Animal. Especialista em Farmacologia. Médica Veterinária.
Continue lendo
ArtigosDireito Constitucional

Habeas corpus de Temer ficou para semana que vem

ArtigosCriminal Profiling

Controvérsias no perfil do assassino em massa

ArtigosTribunal do Júri

3 dicas rápidas para seu primeiro júri

ArtigosDireito Penal

Concurso material ou concurso formal de crimes?

Receba novidades em seu e-mail