Artigos

Os 10 mandamentos do advogado analisados por um rábula diplomado

Canal Ciências Criminais

Por Jean de Menezes Severo

Queridos e queridas leitoras de todo este país, o mês de agosto é especial para mim por várias razões. Na semana passada, comemoramos o Dia dos Pais, tendo eu homenageado meu pai na advocacia criminal, o saudoso Dr. Prestes. Agora, nesta semana, a honra é minha, na verdade, de todos nós, pois agosto é o mês dos advogados, quando comemoramos nossa data no dia 11, o famoso (e temido) Dia do Pendura.

Os mais velhos, como eu, certamente já comemoram muito no dia 11, sendo o terror dos bares e restaurantes locais, mas os mais novos sequer devem ter ideia do que estou dizendo. Uma tradição que, com o tempo, acabou por cair no esquecimento, se tornando apenas mais uma lembrança para alguns e uma benção para outros.

Dessa forma, na coluna desta semana, não poderia deixar de escrever sobre a minha profissão que tanto amo e, logo pensei: Por que não escrever sobre os mandamentos do advogado? Mandamentos importantes, mas que nem todos os advogados ou estudantes de Direito conhecem. Assim, apresento-lhes os 10 mandamentos do advogado, sem antes destacar que seu autor foi o notável Eduardo Juan Couture, uruguaio, que dera abrigo para um dos maiores processualistas de todos os tempos, James Goldschmidt, professor brilhante que, após o início da II Guerra Mundial, refugiou-se no Uruguai, com o auxílio de Eduardo Couture. História muito rica que merece um estudo mais aprofundado e que, tranquilamente, pode ser o tema de futuras colunas, mas vamos lá, pois o show não pode parar. Desbravemos os 10 mandamentos do advogado!

1) ESTUDA – O Direito se transforma constantemente. Se não seguires seus passos, serás a cada dia um pouco menos advogado.

Este talvez seja um dos maiores erros dos advogados após a formatura e o recebimento do canudo. Afastamo-nos dos livros e dos estudos. Sou prova viva disso. Minha vida profissional só decolou após retomar os estudos, com a pós-graduação e o mestrado e sei que o doutorado está logo ali. Resumindo: não me afasto mais do mundo acadêmico.

2) PENSA – O Direito se aprende estudando, mas se exerce pensando.

Parece bobagem, mas quantas vezes já me socorri deste mandamento em julgamentos feitos junto ao tribunal do júri, quando parece que não existem argumentos para refutar uma acusação contra seu réu. Nessas situações, o segredo do negócio é concentrar-se, e pensar. Garanto aos amigos que funciona e repentinamente aquela resposta na ponta da língua sai e põe de joelhos o acusador.

3) TRABALHA – A advocacia é uma árdua fadiga posta a serviço da justiça.

Meu nome é trabalho e meu sobre nome é horas extras. Sucesso só vem antes do trabalho no dicionário. Não sei o que é tirar férias há anos e não reclamo disso. Sinônimo de que o escritório está caminhando de vento em popa, por isso, faço o que amo, assim o trabalho torna prazeroso. Advogado militante trabalha e muito!

4) LUTA – Teu dever é lutar pelo Direito, mas no dia em que encontrares em conflito o direito e a justiça, luta pela justiça.

 Esse tipo de conflito vai ocorrer com você: Direito x Justiça. Lembro-me de um júri que fiz, onde o pai havia desferido mais de dez tiros de pistola no rosto do molestador do filho. Fez tocaia de dez horas esperando a vítima e consumou a vingança seis meses após o fato. No júri, dei esta opção aos jurados: Pelo Direito, vocês condenam este pobre pai, pela Justiça, Vossas Excelências o absolvem. Naquele dia, os jurados optaram pela Justiça e naquele dia agradeci a Deus por ser advogado criminalista.

5) SÊ LEAL – Leal para com o teu cliente, a quem não deves abandonar até que compreendas que é indigno de ti. Leal para com o adversário, ainda que ele seja desleal contigo. Leal para com o juiz, que ignora os fatos e deve confiar no que tu lhe dizes; e que quanto ao direito, alguma outra vez, deve confiar no que tu lhe invocas.

Juntamente com o Ministério Público e a Magistratura, nós, advogados, formamos o tripé que compõem a Justiça. Lealdade deve ser nosso norte ao tratar com o juiz e promotor de justiça, porém, devemos ser leais sempre com nosso cliente, nunca lhe vendendo ilusões e falsas promessas. Não se esqueça que teu cliente é teu empregador e não conheço melhor propaganda para um advogado do que um cliente satisfeito.

6) TOLERA – Tolera a verdade alheia na mesma medida em que queres que seja tolerada a tua.

Tudo tem dois lados; às vezes, achamos que temos a totalidade da razão em determinado processo, no entanto, devemos ouvir sempre a outra parte com respeito e atenção. Orgulho e vaidade já derrubaram muitos colegas por ai.

7) TEM PACIÊNCIA – O tempo se vinga das coisas que se fazem sem a sua colaboração.

Paciência e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém. Vivemos de prazos, recursos que às vezes demoram e que não dependem somente do esforço do advogado, portanto, vá se acostumando, “jovem gravata”, a ter paciência, afinal de contas o apressado come cru!

8) TEM FÉ – Tem fé no Direito, como o melhor instrumento para a convivência humana; na Justiça, como destino normal do Direito; na Paz, como substituto bondoso da Justiça; e, sobretudo, tem fé na Liberdade, sem a qual não há Direito, nem Justiça, nem Paz.

Talvez seja este o mandamento que mais gosto: ter fé. Acreditar que aquele habeas corpus vai “cantar”, que vamos obter aquela absolvição, acredito que o primeiro passo para uma vitória em qualquer tipo de processo, seja acreditar, ter fé. O advogado deve ter disposição e passar uma palavra de conforto e confiança para seu cliente, pois, afinal de contas, se ele está sentado a sua frente é porque problemas ele deve ter…

9) OLVIDA – A advocacia é uma luta de paixões. Se em cada batalha fores carregando tua alma de rancor, sobrevirá o dia em que a vida será impossível para ti. Concluído o combate, olvida tão prontamente tua vitória como tua derrota.

Aquela condenação que nos feriu a alma ou aquela absolvição que nos marejou os olhos devem obrigatoriamente serem esquecidas. Não podemos viver de amarguras, como uma condenação, ou de alegrias, pois se obteve uma absolvição. Devemos esquecer e saber que demos nosso melhor, que fomos ao nosso limite físico e mental. Não se esqueçam que outros processos virão e você deve estar pronto para mais um desafio, porém, com sua alma sempre leve.

10) AMA A TUA PROFISSÃO – Trata de conceber a advocacia de tal maneira que no dia em que teu filho te pedir conselhos sobre seu destino ou futuro, consideres um honra para ti propor-lhe que se faça advogado.

Belinha, Iza e Gabriel, se vocês optarem pela advocacia, vou ser o pai mais feliz do mundo, afinal de contas, tudo o que sou, tudo o que eu tenho, devo a advocacia e se existirem outras vidas, volto como advogado de defesa. A advocacia me completa, me alimenta me faz um homem feliz e melhor, obrigado patrão velho por me ter feito ADVOGADO DE DEFESA!

JeanSevero

Autor
Mestre em Ciências Criminais. Professor de Direito. Advogado.
    Continue lendo
    Receba novidades em seu e-mail